Companheiros e seguidores

sexta-feira, 22 de abril de 2011

O bebum e o Puliça

Não sei como começar
A falar de algo assim
Contar um caso antigo
Que um dia passei com chikin
Numa festa na GARAGEM
Até ficar bem bebim

Foi mesmo por um acaso
Que na festa lhe encontrei
Ao vê-lo lá no balcão
Do teu lado me sentei
Fui tomando uns copinhos
E logo me embriaguei

Chiquinho estava bebaço
Mas tinha boa razão
Pois sentado ao seu lado
Estava sua grande paixão
E assunto que falavam
Era de uma traição

Quanto mais pinga tomava
Mais assunto aparecia
Falava de algumas coisas
E outras coisas prometia
E me fizeram uma promessa
Que cobrarei qualquer dia

Foi depois de muita pinga
E os três muito tomados
Que a moça que ali estava
Prometeu um afilhado
Dizendo que o filho deles
Por mim, seria batizado

Depois de muita cachaça
E ter feito umas enrolas
Percebendo a madrugada
Resolvemos ir embora
A bordo do velho Hogro
Parceiro de toda hora

Ao sair lá da GARAGEM
E o Chevette procurar
Percebi que meus amigos
Não aguentavam mais andar
Um segurava o outro
Querendo se equilibrar

A linda moça me pediu
Pra dirigir o carrão
Pois achava que Chiquinho
Não tinha mais condição
Pra conduzir o Chevette
Acertando a direção

Mas depois da discussão
Resolvi não aceitar
E falei pra Chiquinho
Para casa nos levar
Dirigindo com cuidado
Pro povo não atropelar

Ao entrarmos no Chevette
Me veio logo na mente
E pedir pra por o cinto
Pois previa um acidente
Ao perceber que meu amigo
Não estava mais consciente

Só precisou 1 minuto
Pro carro chegar a cem
E ver que daquele jeito
Ele iria matar alguém
Além de matar eles dois
E decerto eu também

Ao ver a morte bem perto
Tive uma ideia genial
Eu sugeri que Chiquinho
Desse um cavalo de pau
Pois se ele corresse mais
Eu iria passar mal

Na hora em que fui falando
Senti o carro rodar
Pois Chiquinho com muita força
Eu vi a trava puxar
Fazendo-nos grande medo
De ver o hogro virar

Só que pobre é azarado
E não pode nem brincar
Pois assim que o hogro rodou
Eu vi umas luzes brilhar
Era o carro da policia
Que nos mandou encostar

Ele encostou o Chevette
E os "Gambés" pararam ao lado
Mandando sair do carro
E nele ficar encostado
Pois aquela era a hora
De todos serem revistados

O "Gambé” que nos parou
Era um velho companheiro
Nem quis nos revistar
Foi direto pros conselhos
Dizendo que desejava
Que fossemos uns forasteiros

Ele olhou para Chiquinho
Com cara de exclamação
Dizendo o quanto era errado
Aquela situação
Dirigindo embriagado
E sem habilitação

Chiquinho olhou pro Gambé
Com uma cara de desdém
E disse em tom irônico
Carta tu também não tem
E dirige como eu
Errado mais que ninguém

O home ficou vermelho
Quase a ponto de gritar
Mas respirou bem fundo
E conseguiu se controlar
E arrumou umas desculpas
Pra tentar se explicar

E eu morrendo de medo
Só conseguia dar risada
Pois quando Chiquinho falava
Mais parecia uma piada
Parecendo que o errado
Era a pessoa fardada

Pra justificar a rodada
Algo estranho ele inventou
E disse ao policial
Que a gasolina acabou
E num ato involuntário
O seu velho carro rodou

Depois de muita indaga
Escutei o home dizer
Que sua única opção
Era o carro recolher
E que no dia seguinte
Ele iria nos devolver

Ao ver o rumo da prosa
Eu avisei pra mulher
Que devia descer do carro
Pois teria que ir a pé
Porque a nossa carona
Iria ficar com o Gambé

O homem mudou de cor
Ficou branca igual farinha
Ao ver que a moça no carro
Era sua linda sobrinha
Que na visão da família
Era uma pobre coitadinha

Depois daquele momento
O Gambé veio a dizer
Que já havia decidido
O Chevette recolher
E que só no dia seguinte
Ele iria nos devolver

Nesta hora eu vi Chiquinho
Desprezar sua querida
Dizendo que se seu Chevette
Era a razão da sua vida
E que ter que vê-lo ser preso
Faria grande ferida

O Puliça ao ver aquilo
Ironizou com risada
E disse ao meu amigo
De uma forma engraçada
Se sua vida é este carro
Sua vida não vale nada

Ao ver que não tinha jeito
Resolvi interferir
E falei para Chiquinho
Que era hora de partir
E irmos a pé para casa
Tentar um pouco dormir

Mesmo contra sua vontade
Chiquinho veio a aceitar
Entregamos o Chevette
E começamos caminhar
Deixando pra trás o Hogro
Para os puliça o guardar

Eram três da madrugada
Quando fomos pra casa
Chiquinho estava bem bêbado
Seus olhos como uma brasa
E a moça com aquele encanto
Que aonde passa, arrasa

No outro dia bem cedo
Quando acabei de acordar
Fui à casa de Chiquinho
E tive que lhe acordar
Pois tínhamos combinado
De o seu carro resgatar

Chiquinho meio confuso
Acordou atordoado
Achando que tudo aquilo
Apenas tinha sonhado
Ou que fosse uma loucura
Que ele tinha fantasiado

Quando caiu na real
E retomou a razão
Tocou-se que o seu carro
Amanheceu na prisão
E que na noite anterior
Tinha feito confusão

Havíamos feito um trato
De forma muito legal
Marcamos pra logo cedo
Procurar o policial
E tentar justificar
Aquele ato irracional

Ao chegar a casa dele
Com um pouquinho de medo
Percebemos que chegamos
Na sua casa muito cedo
Porque o policial
Ainda estava no emprego

Aguardamos por um tempo
Até o homem chegar
Com uma cara de cansado
E vontade de brigar
Levando-nos pra sua sala
E nos mandado sentar

O gambé pegou um código
E nos pediu atenção
E foi mostrar pra Chiquinho
Um monte de infração
Dizendo que se julgado
Seria longa a prisão

Passamos mais de uma hora
Escutando seu sermão
Falando de tudo um pouco
Nos dando orientação
Mostrando que o que ele fez
Só se faz com um irmão

Depois de muita conversa
E de muita explicação
Aproximou-se de Chiquinho
Esticando lhe a mão
Entregando de uma vez
A chave do seu carrão

Com o Chevette liberado
E um monte de perdão
Percebi que meu amigo
Arrumou mais confusão
Pois ao sair com seu carro
Ele derrubou o portão

O puliça indignado
Sem mais querer prolongar
Pediu pra deixar quieto
Que ele mesmo ia arrumar
Pois achou se mexêssemos
A tendência era piorar

Entramos no velho Hogro
Saímos sem direção
Carregando em nossas costas
Uma hora de lição
Para nunca mais entrar
Em tamanha confusão

Assim termino esta história
Que contei aos meus amigos
De uma grande aventura
Que Chiquinho teve comigo
Por dar um cavalo de pau
Colocando-nos em perigo.


(E assim terminamos a noite. Todos a pé pra casa)

15 comentários:

  1. eita meu deus pensse q eu acordei com medo no outro dia ai foi umas mas melhores esperiências q ja tive em minha vida foi muito engraçado e ele n treminou n coisa ainda vem por ai kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. muito bom, que situação hein.ainda bem que passram por isso, se não não teríamos o prazer dessa leitura

    ResponderExcluir
  3. ooooo povoo dooido. kkkkkkkkk
    eu gooostei .

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ,
    etâ que tanta história esse povo viiu !
    hauahahaus , vocês ja passaram foi por coisa .
    Muito bom viu Leo , ta de Parabéns :) .

    ResponderExcluir
  5. vcs n virão foi nada leo he o kão kkkkkkkkkk moss fiz uma regressão aqui kkkkkkk

    ResponderExcluir
  6. Aguardo o final...
    bjss!!!

    ResponderExcluir
  7. to ansiosa pra ver o final dessa história !

    ResponderExcluir
  8. moço doido, viu xD

    ficou demais! não demora pra postar o resto não!

    ResponderExcluir
  9. "Se sua vida é este carro
    Sua vida não vale nada"

    que brecha! ahuahuahuahauhauha
    -euri

    ResponderExcluir
  10. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk massa

    ResponderExcluir
  11. Leo n sei como vc lembrou assim dos minimos detalher foi uma comfusão q eu nunka ah de esquecer
    aventuras q eu tive com meu amigo com pessoa
    q tem um espaço reservado em meu coração
    saudades de um epocá muito divertida
    hj eu falo de boca cheio tivemos uma infancia feliz !

    ResponderExcluir
  12. joao vitor irmão de chikin26 de abril de 2011 12:30

    ei leu se eu pedir um aqui tu fazzz fazz aii do dia que a menina pegou os pintinho d chikin e torceu o pescosso e jogou no buraco fazz aii que vai ficar masss

    ResponderExcluir
  13. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...
    Jaa tinha ouvido essa historia com os dois cotandoo mais em forma de poesia saiuu mass demaiss ,,
    Mosss leoo tu manja no ramo de poesiaa .SUCESSO !

    ResponderExcluir
  14. Gostei muito da estoria, mas acho que vc podia se soltar mais no video, rsrs.

    ResponderExcluir
  15. Olá, cara Cláudia, seja bem vinda ao blog.
    Eu concordo plenamente contigo quando diz que tenho que me soltar mais. O meu maior problemas é que costumo gravar estes videos após a meia noite, aí fico muito limitado ao nível de barulho, e outra coisa é que eu não tinha a história na cabeça, aí fui ler e acabou saindo muito mecânico, assim como nos outros. Também não gostei do video ao ver, mas como já tinha feito, deixei.
    Um grande abraço e volte sempre para fazer uma visita.

    ResponderExcluir